Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2008
[19 de novembro de 2008]

As lotéricas dos shoppings são as mais movimentadas. Abrem às 10h e só fecham às 21h, nem um minuto a mais, nem um minuto a menos. Ela entrava às 15h e ficava até o término do expediente das máquinas. Às 18h tinha cerca de meia-hora para tomar um cafezinho, muitas vezes requentado e fraco.

Recebia pagamentos de contas e fazia jogos de muitos esperançosos que ainda acreditavam na mínimíssima probalididade de ganhar na Mega Sena. Em dias mais movimentados chegava a atender cerca de quatrocentas pessoas. Seu trabalho era mecânico e exigiar muita atenção.

Continuava a receber contas normalmente. Pilhas e mais pilhas delas. Foi então que um cliente ofereceu-lhe uma bala. Tinha no rosto um sorisso e um ar de gratidão por ter sido tão bem atendido. A moça não sabia direito o que fazer, era a primeira vez que isso lhe acontecia. Mas a fila não parava e logo um casal aproximou-se do caixa. Quase sem perceber ela os atendeu muito bem, cheia de alegria e simpatia, bem difer…
[19 de novembro de 2008]

O cheiro de grama recém cortada adentrou a casa. Foi deitar-se já no início da madrugada. O que mais seu corpo ansiava era esticar-se por entre as cobertas e entregar-se ao universo da preguiça. Nesse estado latente, quase vegetativo, separou o corpo da mente e voltou a pensar no quanto adorava ver a grama aparada.

Era primavera e tudo crescia muito rápido. Chuva e sol, sol e chuva. As plantinhas agradecem mas ela, em termos, não. Ah, o gramado baixo de dias atrás, como era lindo e único, quase uma obra de arte. Nem ao menos quinze dias passaram-se e lá estava ela novamente: a vontade de cortar a grama. Os dias transcorriam como o verde que aumentava a sua volta. A vontade louca de cortar a grama crescia como o mato em flor, bem primaveril.

Contratou um jardineiro para cortar-lhe o gramado. Tudo em vão. Encontrou-se, então, com um problema pertinente. Por algum motivo desconhecido seu desejo de cortar a grama não havia passado. Por um instante acreditou que bast…