Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2008
[22 de dezembro de 2008]

Estou quase arrancando os calendários desse ano que está a ir embora. Espero não precisar pensar em datas por muito tempo. Sinto-me longe da vida, então rodopio-pio. Faz calor e eu só quero saber do vento debaixo da minha saia. O sopro no meu rosto. A liberdade nos meus braços.

Você é tão frágil, vai quebrando-se desde o dia em que te peguei pela primeira vez. Tão frágil e não sei te remontar. Vivo então na condição de perder um pedaço de ti a cada dia. Começou logo depois que nasci.
[30 de agosto de 2008]

Por motivos excusos prometeu que nunca mais diria seu nome. Foi um choque para ele, uma decisão tão repentina. Mesmo assim saiu sem buscar uma explicação lógica para a moça que lhe observava atentamente. Aquele olhar cheio de ira não enganava: ela transbordava de ciúme.

Andando calmamente, procurava uma razão para tal promessa. Não conseguia encontrar em sua mente sequer um instante no qual não a amasse. Era um completo apaixonado, vivia por ela. E agora isso. O pior é que não sentia dor, via a situação com certo bom humor até. "Deve ser uma brincadeira", pensava consigo.

Passados dois dias, tentou ligar-lhe. Ninguém atendia. Depois de um dia inteiro nisso, idéias confusas passavam pela sua cabeça. Talvez ela tivesse sumido. Ou pior, alguém a tivesse sequestrado! Era simplesmente impossível ela não lhe atender, já que não havua nenhum motivo para que a mágoa se prolongasse por tanto tempo.

Continuou telefonando por uma semana, no entanto, com o passar dos …

Questionamento de Natal

[21 de dezembro de 2008]

Por mais que eu me coloque longe do Natal e das coisas que quase todos fazem no Natal, eis que encafifaram a mente com uma pergunta perturbadora: quanto tempo dura um pão de mel? Claro que não há pão de mel só durante o Natal, só que essa época do ano é mais pão de mel do que todo o resto.

Pão que mais parece bolacha, tão doce e coberto de chocolate, algumas vezes enfeitado e embalado, isolado no mundo. O pão de mel, açúcar, leite, trigo, cravo e canela - ah Gabriela. E quanto tempo será que dura o mel do pão?

Não adianta nada enfeitar o pão de mel. Rechea-lo com sorvete ou doce de leite. Há tanto pão de mel e mel de pão nesse mundo, não faz diferença como ele aparenta. Todos são, em essencia, a mesma coisa. Muda apenas a mão doce que os faz, que junta o pão e o mel.

Mas afinal, quanto tempo dura um pão de mel? Por quanto tempo fica perfumando a cozinha, enfeitando a mesa, espalhando doçura por onde passa? Acho que comigo ele não dura nada - principalmente se f…

Eu e Capitu

Já faz um tempo que venho pensado sobre registrar aqui algumas das coisas que assisto e leio - aliás, mais leio do que assisto. No entanto começarei falando da minissérie global "Capitu", que foi exibida de 09 a 13 de dezembro de 2008. Ainda vivo uma batalha interna para saber se gostei ou desgostei. De qualquer forma sinto que tal série deixou uma marca em mim, algo que não sei explicar bem em palavras.

Para quem não sabe "Capitu" é uma adaptação do livro "Dom Casmurro", de Machado de Assis. 2008 foi o ano do centenário da morte do escritor e, portanto, várias homenagens foram realizadas, incluindo tal produção da Rede Globo. Caso tenha interesse em ver a minissérie, basca visitar seu site oficial e assistir aos vídeos.

Machado de Assis é apaixonante, ao menos para mim. "Dom Casmurro" foi a primeira obra dele que eu li e estava muito interessada em saber como seria conduzida a série. Logo de cara tive um misto de suspresa e estranhamento, uma vez…

Animal, Animal

[08 de dezembro de 2008]

Cachorro encostado
Portão de metal
Sombra na carne
Calor infernal

Cavalo atravessa
Comer capim
Carros parram
Vida sem fim

Coelho cercado
Longe da terra
Busca o solo
Remove a pedra

Gato sem fome
Caça um rato
Morde e solta
Brinca no prato

Pássaro pousa
Cisca e pia
Minhoca no bico
Barriga vazia

[04 de dezembro de 2008]

Estou há muito tempo pensando em quem sou exatamente. Aos meus 22 anos mal posso dizer o que estou fazendo ao certo. Sinto-me tão jovem e tão velha ao mesmo tempo. Não sei o que eu gostaria de ser, como eu gostaria de agir. Nunca escolhi estar onde estou, sejam as coisas boas ou as coisas ruins. Sinto-me perdida no meu próprio espaço, mal consigo me colocar no lugar que me pertence: dentro de mim.

Sou-me profundamente, tanto que quase vou explodir. Comparo-me aos meus amigos jovens e não sou como eles, estou tão longe disso. Estão todos tão tranquilos e seguros de suas vidas - ou ao mens transparecem isso. Vivem um dia após o outro como se milhares de preocupações nunca chegassem até suas mentes. Sempre acreditei que aos 22 anos eu não seria metade de quem sou. Sinto-me tão velha, mas olho de novo minha idade e me assusto.

Doí muito pensar na existência. Agora mesmo enfrento uma dor de cabeça que se multiplicaria se eu simplesmente me negasse a escrever. Minhas…