Pular para o conteúdo principal

(en)cerração

[22 de maio de 2009]

cerra

cerra
cerra
ção

encerra
e cerra
minha
visão

língua
olfato
palato
expressão

luzes
desfoque
estrela
no chão

suspiro
espirro
na mente
um clarão

mareja
os olhos
da rosa
o botão

ruelas
vermelhas
de sonhos
se vão

me calo
não falo
nem q' sim
nem q' não

caminho
sozinho
não sei
onde'stão

tranca
no tranco
do meu
coração

P.S.: É uma poesia bem bobinha, com um ritmo marcadinho, praticamente um exercício que me propus a fazer ao invés de escrever (mais uma vez, aliás) sobre a cerração noturna, que eu adoro.

Comentários

Marilia Kubota disse…
Muito bem. Benvinda ao time dos malditos. beijão
Adriana disse…
Oi!
Então, esta história de negar a profissão está em alta rsrs
Também não vou seguir sendo jornalista,mas enfim, me manda o que está pensando em fazer por e-amil, podemos trocar mais figurinhas pois abro com frequencia (adrianapossan@yahoo.com.br)
Simpatizei com a ideia =)
beijo.
esta noite estava linda mesmo!! eu me lembro!!