Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2009
[05 de julho de 2009]

- Veja bem, - disse com a voz bastante acentuada - só continuo vivendo porque fiquei com uma forte impressão. O que tenho é a certeza de que estamos prestes a nos desmanchar, assim como as rosas vermelhas que vão perdendo as pétalas e mostram seus miolos secos cheios de fruto e sementes. Desde a primeira vez que te vi eu percebi essa verdade tão aguda e até tentei esquivar-me dela. Pois é, de nada adiantou. Logo mastigaremos nossos frutos proibidos e cuspiremos as sementes pelo caminho.

Coletânea de minicontos reúne dez autores paranaenses

Fonte: Paraná Online
Será lançada no próximo dia 10 de julho a coletânea de minicontos A brisa é você, um livro com 200 minicontos de dez autores paranaenses, publicado pela editora Araucária Cultural. O lançamento será no hall da Biblioteca Pública do Paraná (Rua Cândido Lopes, 133 - Centro), às 18h, com a presença dos autores.
E de 13 a 17 de julho, será realizada a Semana de Leitura A brisa é você, na Biblioteca Pública do Paraná, sempre das 18h às 20h, na Sala de Reuniões, no 3.º andar.
O projeto tem como objetivo divulgar a coletânea de minicontos pioneira no Paraná, incentivar a leitura e tornar conhecido o gênero das narrativas breves, denominadas de minicontos. Informações: 3029-8713.
[03 de julho de 2009]

Sou tão pequena, tão pequena que mal posso me conceber. Toda vez que penso um pouco apenas sinto que preciso correr e extrapolar o limite que me coloquei, como se o tempo estivesse se esgotando. Os dias me vão passando como uma pasta amorfa, e ainda sinto que preciso fazer mais. Mais o que, afinal? Que bela resposta eu teria se ela existisse.

Medo. Esse medo que pulsa no meio peito faz com que eu me sinta incompleta.

Poética

Com licença
Poética
Estou chegando
Devo me apresentar
Sou-me assim
Desnudo-me aqui
Respiro enfim

Vivo de te buscar
Nas entranhas
Em que caibo
Nos vasos
Que me bombeiam
Nos músculo
Que me movimentam

E de ti nada
A meu ser resta
Apenas te invadir
Querer-te ao ponto
De te neglicenciar
Como a ti não contenho
Engula tudo de mim