Pular para o conteúdo principal

[21 de outubro de 2010]

Na escritura sou-me vaga
Tive medo e não parei
Hoje olho-me e sei
Que imagem não é mágoa

Escondida, por assim dizer
Em retratos de sombra e luz
Galhos secos e azuis
Da árvore que cansou de crescer

Hoje gosto amanhã esqueço
Intenso amor efêmero
De mim desconhece o gênero
Daquilo que não mereço

Na noite os sons todos são um só
Fecho os olhos e para o sonho levo
Melodias que um dia criar quero
Em escalas de menor dó

Comentários

Raidam disse…
Também gosto de escrever, faço poemas e talz... ^^

Belo poema esse seu.
Sabe usar a rima e tem um vocabulário
ótimo. Parabéns. Gostei bastante.