Pular para o conteúdo principal

Fugindo [10 de julho de 2011]

O realidade não é nada criativa, por isso eu tenho que fugir. Escapar dos meus próprios pensamentos sobre o que tenho que fazer em seguida para criar algo novo, libertar minhas outras idéias. Escrever não é nada além de uma recriação da realidade, um alimento para os sonhos escondidos, as vontades reprimidas.

Quanto mais escrevo, mais me sinto livre. Posso ter preocupações a todo tempo, não importa, desde que eu possa escrever todos os dias. E quanto mais escrevo, mas sinto vontade de jogar-me fora. Juntei tanto que agora só quero arrumar tudo e me livrar do que não me importa mais.

Fujo das buscas alheias, de dinheiro, de bens, de estabilidade, de trabalhar das 8h às 18h, de festas, de shoppings, de lotações, de barulhos, de velocidade, de estresse, de cansaço, de muito ter tanto que não há tempo de aproveitar, de remédios e te tudo mais que dizem que é o certo.

Fugindo sim, mas não para me esconder: quero me mostrar, mostrar o outro lado.

Comentários